CNJ abre processo para apurar conduta de juiz no caso Mariana Ferrer

Rudson Marcos, da 3ª Vara Criminal de Florianópolis, absolveu o empresário André de Camargo Aranha, acusado de estupro pela influenciadora Mariana Ferrer.

Compartilhe essa notícia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Compartilhar no telegram

A Corregedoria Nacional de Justiça vai apurar a conduta do juiz Rudson Marcos, da 3ª Vara Criminal de Florianópolis, que atuou no julgamento do caso da influenciadora Mariana Ferrer – ela acusa o empresário André de Camargo Aranha de estupro. Em julgamento, ele foi absolvido.

Na Reclamação Disciplinar, a Corregedoria requisitou informações sobre a existência de eventual apuração sobre o fato junto à Corregedoria-Geral do Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJSC), onde Marcos trabalha.

Inicialmente, havia sido informado que o promotor do caso Thiago Carriço de Oliveira classificou o crime como “estupro culposo”. Segundo Oliveira, não havia como o empresário André de Camargo Aranha saber que a jovem não estava em condição de consentir o ato sexual e, por isso, não existiu a “intenção” de estuprar.

O termo “estupro culposo”, no entanto, não consta na ação e, segundo o “The Intercept Brasil”, que revelou a absolvição de Aranha, foi usado na reportagem “para resumir o caso e explicar para público leigo”.

Na tarde desta terça-feira, 3, o integrante do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), Henrique Ávila, acionou a corregedoria nacional de Justiça para que a reclamação contra o juiz fosse aberta. De acordo com ele, “as chocantes imagens do vídeo mostram o que equivale a uma sessão de tortura psicológica no curso de uma solenidade processual”.

Na gravação, o advogado de Aranha, Cláudio Gastão da Rosa Filho, humilha a vítima. Além de classificar fotos de Mariana como “ginecológicas”, chama o seu choro de “dissimulado e falso” e sua exasperação como “lágrima de crocodilo”.

Gastão também afirma que “não deseja ter uma filha ou que seu filho se relacione com “alguém do ‘nível’ da vítima”, e que “o ‘ganha-pão’ dela” é a “desgraça dos outros”.

FONTE: Jovem Pan. Disponível em: <https://jovempan.com.br/noticias/brasil/cnj-abre-processo-sobre-conduta-de-juiz-em-caso-mariana-ferrer.html>

Continue lendo

Mais Notícias

Inscreva-se para receber novos conteúdos

Enviar mensagem
Olá! Se preferir, inicie o atendimento via WhatsApp