TJPR decide não ser devidas custas judiciais no cumprimento de sentença

Alvo de grande discussão no Judiciário, o TJPR finalmente decidiu, após sustentação oral da OAB/PR, por impedir a cobrança das custas nessa fase do processo.

Compartilhe essa notícia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Compartilhar no telegram

Em sessão do Órgão Especial desta segunda-feira (7), o Tribunal de Justiça do Paraná confirmou que não são devidas custas judiciais nos processos em fase de cumprimento de sentença. O presidente da Comissão de Acesso à Justiça da seccional, Sandro Gilbert Martins, fez a sustentação oral em nome da OAB Paraná e o colegiado, por unanimidade, denegou a segurança em mandado impetrado pela Assejepar – Associação dos Serventuários da Justiça do Estado do Paraná.

Desde dezembro de 2019 a seccional paranaense vem atuando para impedir a cobrança das custas nessa fase do processo. Primeiro, a OAB combateu a edição da Resolução n. 9 de 2019, que revogou instrução anterior que isentava essa cobrança. Por meio da Comissão de Acesso à Justiça, a seccional apresentou parecer ao TJ mostrando a ilegalidade dessa exigência. O documento mostra que o Tribunal já tinha um posicionamento sobre a matéria, conforme definido na Súmula 59.

A OAB Paraná também sustentou que a referida instrução normativa n. 9/2019 infringia o princípio da reserva legal, que prevê a obrigatoriedade de lei indicando a incidência do tributo, conforme a Constituição Federal determina, não podendo a cobrança ser estipulada por ato administrativo. Também demonstrou que segundo a nova sistemática do CPC/2015, era incompatível essa cobrança de custas no cumprimento de sentença.

No dia 13 de fevereiro deste ano, atendendo ao pedido da OAB Paraná, o TJ-PR baixou a Instrução Normativa nº 3/2020, por meio da qual o desembargador José Augusto Gomes Aniceto, corregedor-geral de Justiça, resolve revogar a Instrução Normativa n. 9/2019 e, assim, que não são devidas custas judiciais no início da fase de cumprimento de sentença. A associação dos cartórios, então, impetrou mandado de segurança contra esse ato, cujo julgamento se deu nesta segunda-feira.

Já em decisão inicial, no dia 17 de abril, o desembargador Fernando Wolff indeferiu o pedido liminar dos cartórios, adotando entre seus fundamentos a argumentação da OAB e, ainda, considerando “injustificada a transferência de renda e receitas de camadas da sociedade mais afetadas pela pandemia (os jurisdicionados que diariamente batem às portas do Judiciário) para os prestadores de serviço público associados à impetrante sem um mínimo de amparo jurídico, social nem econômico”.

Agora, o mandado foi julgado no mérito, confirmando a liminar e mantendo a Instrução Normativa que define a não cobrança de custas para o ingresso do cumprimento de sentença. “Mais uma vez a OAB-PR não mediu esforços em contribuir em proveito da classe e da sociedade paranaense”, disse Sandro Martins.

FONTE: OAB/PR. Disponível em: <https://www.oabpr.org.br/oab-sustenta-e-tj-pr-nega-mandado-de-seguranca-para-cobranca-de-custas-no-cumprimento-de-sentenca/>

Continue lendo

Mais Notícias

Inscreva-se para receber novos conteúdos

Enviar mensagem
Olá! Se preferir, inicie o atendimento via WhatsApp